terça-feira, 27 de outubro de 2009


Já imaginou o que aconteceria se tratássemos a nossa Bíblia do jeito que tratamos o nosso celular?E se sempre carregássemos a nossa Bíblia no bolso ou na bolsa?E se déssemos uma olhada nela várias vezes ao dia?E se voltássemos para apanhá-la quando a esquecemos em casa, no escritório... ?E se a usássemos para enviar mensagens aos nossos amigos?E se a tratássemos como se não pudéssemos viver sem ela?E se a déssemos de presente às crianças?E se a usássemos quando viajamos?E se lançássemos mão dela em caso de emergência?Ao contrário do celular, a Bíblia não fica sem sinal. Ela "pega" em qualquer lugar.Não é preciso se preocupar com a falta de crédito porque Jesus já pagou a conta e os créditos não têm fim.E o melhor de tudo: não cai a ligação e a carga da bateria é para toda a vida."Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto"! (Is. 55:6)

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Dia da Criança em Teresina

Muitos membros vieram participar e ajudar para fazermos a programação do Dia da Criança.
Os adultos também assistiram.
No início tivemos cânticos infantis.
Depois uma história.
As crianças ganharam dois amiguinhos, o Pedrinho e a Maria.
Pelo jeito eles gostaram dos novos amigos e da história.
Todos estavam curiosos.
Como é bom usarmos a criatividade para envolver também as crianças.
Teve até uma gincana.
Dividimos as crianças em equipes e teve perguntas bíblicas.
Quem foi que !@#$$%¨&**(
Enquanto isso os adultos tinham muito o que conversar..
Como é bom estarmos na Casa do Senhor!
Os mais pequenos puderam desenvolver outras atividades.
Os pais trocar idéias.
Uma foto em conjunto..
Os professores da Escola Bíblica de Teresina, PI.
Teve banho de bica de novo!
Todos louvaram ao Senhor.
Toc, toc, toc, alguém me bate a porta...
Parabéns para as crianças e aos jovens e adultos por proporcionar este dia tão bonito a elas!
Que o Bom Deus continue abençoando a todos e a esta Igreja!!


quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Dia da Criança em Timon

Começamos com o louvor...
Muito louvor...
Mais louvor ainda... As crianças gostam! Da boca dos pequeninos, sai o perfeito louvor!
A Silvana convidou a todos para uma oração.
Depois mais louvor...
Um pouco mais!!
Até o Filipe entrou na dança...
As mães também entraram na roda...
Eita, vamos trabalhar!
Foi um dia muito animador, para as crianças e também para os organizadores!!
As crianças assistiram um filme do Smilinguido, comera pipoca e beberam refrigerante.
Eita trabalhão que deu servir todas as crianças, mas foi muito legal!
Todos professores ajudaram, não foi Talita....
Enquanto os professores trabalhavam as crianças se divertiam, não é Ana Karine...
Vamos ouvir a história agora!
Teve brincadeiras também, foi muito divertido.
Até a dança da cadeira!
Teve quem animou e tomou a frente nos cantos.
Pra finalizar uma foto em conjunto!!
Foi um dia inesquecível e gratificante,
Obrigado Deus e parabéns para as crianças!!!

Preparação para o Culto do Dia da Criança

Como é bom trabalhar quando todos participam!!
Não faltou vontade de ninguém, toda Congregação ajudou com trabalho ou doações!!
Até as meninas ajudaram!
O que você acha, a criança que receber isso vai.....
Muitas doações e muito trabalho na hora de separar, agora é só entregar e agradecer a Deus pela oportunidade de ajudar as pessoas de alguma forma, também as criancinhas!
Que o Bom Deus abençõe sempre mais esta Congregação para que eles também possam ser um espelho do amor de Deus!!


sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Outubro, mês da Reforma

31 de Outubro - Dia da Reforma

Lutero, movido pelas suas superstições e medos, pela angústia e intranqüilidade de espírito, pelo desejo de estar bem com Deus, tinha entrado no convento.Em busca de paz interior, tinha se tornado monge. Rezava missas. Fazia tantas e tantas obras indescritíveis na Igreja. Mas não encontrava a paz desejada...Percebeu e compreendeu que a religião, nos seus dias, estava completamente distorcida, não atendendo aos verdadeiros anseios e necessidades do povo. Por isso, se empenhou em reformar, isto é, mudar e melhorar as coisas da Igreja.Nós somos os herdeiros deste movimento de Reforma e de tudo que resultou dele. Somos cristãos. Conhecemos a Escritura Sagrada. Pertencemos a uma igreja. Temos abundante ensino da Bíblia. Isto é parte da herança e dos valores da Reforma.Precisamos mantê-la. Precisamos, sempre mais, procurar conhecê-la. Precisamos divulgá-la. Que Deus nos ajude a sempre e sempre mais conhecer a Verdade que Liberta.
Você sabe que símbolo é este?
Ela tem um significado muito bonito!
A Cruz de Preto, lembrando a morte de Cristo na Cruz;O coração de vermelho, símbolo da fé e do amor, onde o cristão recebe a purificação dos seus pecados e passa a amá-lo e serví-lo em sua vida;A rosa branca representa a pureza e demonstra que a fé produz alegria, consolação e paz.Azul é a cor do céu e o fundo sobre o qual estão a cruz, o coração e a rosa branca, nos lembra que assim como Cristo veio ao nosso encontro, Deus também está conosco, todos os dias. Podemos pois viver com Deus e para Deus, como sinais do seu reino aqui na terra. Azul é também esperança no futuro, pois o azul lembra o céu, a eternidade.E ao redor desse espaço está um anel dourado simbolizando que tais bênçãos celestes não têm fim. Essa bênção é preciosa em meio a toda alegria e bondade, assim como o ouro é o mais valioso e precioso metal. Também a Aliança de Deus conosco por meio de Cristo, em sua morte de cruz, onde temos a remissão dos pecados e salvação.

Segundo Mandamento


Não tomarás em vão o nome de Deus.

Com este mandamento Deus quer instruir nossa boca e nossa língua numa relação correta como com Ele, pois a primeira coisa que brota do coração e se manifesta são as palavras.Tomar em vão ou abusar do nome de Deus quer dizer pronunciar o nome do Senhor Deus, seja qual for a maneira, para fins de mentira ou vício de qualquer espécie. Não existe abuso mais grave do nome de Deus que o de utilizá-lo para mentir e enganar.A partir disso podemos observar como é variado e freqüente o mal uso que se faz do nome de Deus. Geralmente o abuso do nome divino ocorre em negócios seculares referentes a dinheiro, bens e honra. No casamento e na sexualidade também é comum haver mal uso do nome divino. Mas esse abuso alcança sua freqüência máxima em questões espirituais, quando falsos pregadores anunciam mentiras como se fosse a Palavra de Deus, ou quando, publicamente e de forma grosseira as pessoas desrespeitam a Palavra e o nome de Deus.Mentir e enganar, por si só, já são graves pecados, mas tornam-se mais graves ainda quando alguém tenta justifica-los utilizando-se do nome de Deus, como se fosse um manto. Neste caso, uma mentira é transformada em dupla mentira.Além disso, se faz mal uso do nome de Deus quando se utiliza dele para amaldiçoar, jurar, praticar a feitiçaria, em resumo, cometer qualquer espécie de maldade. Quanto aos juramentos, Jesus nos ordenou a não fazê-lo (Mt 5.33-37). A nossa compreensão é a seguinte: não se deve fazê-lo em apoio do mal, para sustentar a mentira ou onde não for necessário nem útil. Mas quando os juramentos são feitos para o bem, em benefício do próximo, para confirmar a verdade e a justiça, tornam-se uma obra boa em que Deus é louvado. As pessoas estão respeitando os juramentos que fazem? Casamento? Confirmação? Tribunal?Infelizmente é tão pequeno o número de pessoas que não faz uso do nome de Deus para sustentar mentiras e maldades como também é pequeno o número daqueles que de coração confiam somente em Deus.Deus deseja que se invoque o Seu nome constantemente e de forma proveitosa para apoiar a verdade e o bem. Isso acontece, por exemplo, quando se jura acertadamente onde for exigido; quando se ensina corretamente; quando se está em dificuldades (Sl 50.15). Nestes exemplos o nome de Deus é santificado, como oramos no Pai-Nosso.Devemos sempre trazer em nossos lábios o santo nome de Deus invocando-o em todas as nossas necessidades. Quantas vezes já experimentamos que fomos desviados de desgraças quando o invocamos? Esta também é uma arma poderosa contra o diabo, que sempre anda em torno de nós. Não lhe agrada nenhum pouco ouvir o nome de Deus proferido e invocado do coração de um cristão. Ele foge antes de causar algum dano.Muitas pessoas têm por hábito repetir determinadas frases relacionadas com o nome de Deus: “Meu Deus!” “Deus me livre!” “Graças a Deus!” Este pode ser um bom hábito quando, junto com as palavras leva-se também o coração. Quando, porém, trata-se apenas de um costume, está se fazendo uso em vão do santo nome divino.
OBS: Estudo baseado no Catecismo Maior de Martinho Lutero.

Oitavo Mandamento

“Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” - Êxodo 20.16

Com este mandamento Deus quer proteger a honra e a boa reputação. Assim como Deus não quer que se tire ou cause prejuízos nos bens do próximo, assim também ele não deseja que se tire ou diminua o bom nome e a reputação do próximo.O sentido mais direto deste mandamento se relaciona ao testemunho perante um tribunal, afim de que nenhum inocente seja acusado por falsas testemunhas e venha a ser castigado injustamente. Por outro lado, também se aplica para os juízes. Aliás, o mundo carece de tribunais que sejam presididos por pessoas íntegras, que decidam com justiça todas as causas e sejam cegos e surdos para ofertas de subornos ou ameaças.Portanto, em primeiro lugar, este mandamento exige que cada um ajude o próximo no sentido de lhe garantir o seu direito, não permitindo que lhe seja obstaculizado ou torcido.Em segundo lugar, este mandamento proíbe todo pecado da língua pelo qual se possa causar dano ao próximo. Deus quer proibido todo ‘pecado da boca’: falsos pregadores com sua doutrina e blasfêmia, falsos juízes e testemunhas com a sentença, e outras falsidades em várias ocasiões com mentiras e maledicências.Há em nosso coração um vício detestável e vergonhoso, uma verdadeira praga danosa: gostamos mais de ouvir falar mal do próximo do que bem. Há muitas pessoas que quando têm conhecimento de uma coisinha a respeito do próximo, levam-na a todos os cantos, como se sentissem coceira pela sujeira alheia. A fim de evitarmos falar mal do próximo devemos lembrar que a ninguém cabe julgar e censurar publicamente o próximo. Mesmo que tenhamos conhecimento de algum pecado que o próximo praticou, precisamos saber a diferença entre julgar o pecado e ter conhecimento do pecado – não é incumbência nossa contá-lo a outros. Se passamos a julgar e sentenciar caímos em pecado maior que o do outro.Por isso Deus quer proibido que alguém fale mal do outro em qualquer ocasião: mesmo que seja culpado e todos o saibam – menos ainda quando apenas se tem conhecimento de ouvir dizer. Entretanto, isso não se aplica aos magistrados civis, pregadores e pais, pois em virtude do seu ofício necessitam que se fale do mal, se acuse, declare, interrogue e testemunhe a fim de que o mal não fique impune.Em todas as ocasiões, o procedimento correto deve ser o recomendado por Cristo em Mateus 18.15: “Se teu irmão pecar contra ti, vai argüi-lo entre ti e ele só”. Aqui temos preciosa e excelente doutrina de como governar bem a língua. Que seja esta a nossa conduta: não sair logo por ai a divulgar coisas a respeito do próximo e a difamá-lo, mas admoestá-lo em particular, para que se emende. Da mesma forma quando alguém leva aos nossos ouvidos o que o outro fez, também devemos ensinar da mesma forma, que vá e o repreenda pessoalmente, caso contrário, que fique quieto.Esse modo de proceder deve ser feito na intenção de “ganhar o irmão”, como diz Jesus. Nós jamais estaremos melhorando o próximo se espalharmos o assunto em todos os cantos. Tratar do assunto em particular é o passo correto para ganhar o irmão.Portanto, cabe-nos, em resumo, encobrir o que em nosso próximo é vergonhoso e falho; prevenir aquilo que lhe possa trazer desonra; interpretar da melhor maneira tudo o que se ouve a seu respeito; fazer uso da língua para falar o melhor a respeito de todos.“Honra e bom nome facilmente se tiram, mas não é fácil restituí-lo” - Lutero.
OBS: Estudo baseado no Catecismo Maior de Martinho Lutero.

Enfrentar os "Golias" de nossa vida

Em nome do Senhor
A história é conhecidíssima e muitas vezes é lembrada quando um time de futebol muito simples e desconhecido enfrenta um grande campeão. As pessoas dizem: É a luta de Davi contra Golias. E no esporte, muitas vezes a história se repete: o pequeno e modesto vence.
Foi assim mesmo que aconteceu. O adolescente Davi foi visitar, a pedido de seu pai, seus irmãos que estavam no campo de batalha, e se viu envolvido nela. Os inimigos, confiantes na força do gigante Golias, caçoavam do povo de Deus. Todos os soldados do povo de Deus tremiam de medo diante do gigante; mas Davi não. Davi não gostou das atitudes e das palavras de Golias contra Deus e resolveu enfrentá-lo.
Por que Davi não teve medo de Golias? Porque Davi, confiando em Deus, olhou para Golias do ponto de vista de Deus e não do ponto de vista dos homens. Para Deus aquele gigante não era nada. Davi disse ao gigante: “vou contra você em nome do Senhor Todo Poderoso”. Confiando no auxílio do Senhor Deus, Davi parte para o confronto e vence.
Muitos são os “Golias” que o cristão é desafiado a enfrentar na vida. Muitas vezes estes desafios geram medo e desânimo. Como solução procura-se fugir ou ignorá-los. De nada adianta. Lá estão eles a clamar e a nos desafiar. Se a causa é justa, e o nosso procedimento está de acordo com a vontade de Deus, não há o que temer. Deus nos dará a vitória. É grande o número de cristãos que dia após dia enfrentam, como Davi, os desafios “em nome do Senhor” e vencem.
Além do mais, nem sequer precisamos temer a morte, o maior de todos os inimigos, pois Cristo já a venceu por nós quando ressuscitou dos mortos assegurando também a nossa ressurreição e vitória.
Oremos: Senhor, que sempre possamos enfrentar os desafios da vida e vencê-los; porque os enfrentamos confiantes nas tuas promessas. Amém.