quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Programa de Natal em Timon - 2009

Primeiro as Crianças cantaram.
Teve a História de Joãozinho e Mariazinha.

Entrega de presentes para as crianças carentes que participam da Escolinha Bíblica.

Mais presentes.

Todos queriam o seu presente.
Vamos assistir o teatro: O Verdadeiro Natal.

Os personagens do Natal.

Jesus, Maria, José, Anjos, Reis Magos...

Até o Papai-Noel apareceu no teatro falando sobre o Verdadeiro Natal.

Todos cantaram.

Vamos cantar o Noite Feliz!

Os personagens ajudaram cantar o Noite Feliz.

Programa de Natal em








Programa de Natal em Teresina - 2009

Peça: O Verdadeiro Natal.
Teve a participação das crianças e jovens mirins.

Teve a visita ilustre do Papai-Noel.

José, Maria e Jesus.

Todos gostaram da apresentação.
No final o Pastor fez uma mensagem.

Batizado do Guilherme

No dia 27/12 foi batizado o Guilherme, filho de Rui e Dauciane.
Sempre batizamos com Água e em nome do Deus Triúno, Pai, Filho e Espírito Santo.

Que Deus que é Poderoso e tudo pode, até criar a fé pelo Batismo, abençõe o Guilherme, seus pais e padrinhos.



Devoção de Natal no CAEL

As Crianças do CAEL ouviram uma história do Joãozinho e Mariazinha.
Louvaram a Deus com Cânticos.

Fizeram oração e ouviram sobre o verdadeiro Natal.



Batizado do Pedro

No dia 13/12 tivemos mais um batizado em nossa Congregação.

Pedro, filho de Mayra e Charles.
Que o Bom Deus, que instituiu o Batismo, abençoe o Pedro e sua Família.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Conclusão dos Dez Mandamentos

O que Deus diz de todos os mandamentos?Êxodo 20.5-6
Temos nos dez mandamentos o resumo da doutrina divina para o que devemos ou não fazer, a fim de que toda a nossa vida agrade a Deus. Fora dos mandamentos nenhuma obra e conduta pode ser boa e agradável a Deus, mesmo que seja considerada grande e preciosa aos olhos do mundo.Muitas pessoas consideram sem brilho, insignificantes e comuns demais as obras dos dez mandamentos e, por isso, criam novas ordens espirituais, ritos e costumes especiais, que chamam a atenção das pessoas. Por exemplo, se nega qualquer favor para o simples fato de uma menina cuidar de uma criancinha e cumprir com fidelidade o que lhe é ordenado. Mas por outro lado, se dá bastante ênfase nas procissões, jejuns prolongados, alto-flagelações, etc, das quais Deus nem sequer ordenou.Embora nenhum ser humano possa chegar a cumprir, de maneira devida, um só que seja dos Dez Mandamentos, a nossa vida deve ser guiada pelos mesmos. Em Êxodo 20.5-6 Deus anuncia uma grave ameaça e uma amigável promessa a fim de nos advertir e estimular para que observemos Sua vontade com seriedade. Por um lado, Deus quer castigar com severidade a todos os que desprezam e transgridem os seus mandamentos. Por outro lado, Deus quer recompensar e beneficiar a todos os que observam e buscam viver de acordo com os mandamentos.O nosso coração, portanto, deve temer e amar a Deus. Temer no sentido de abster-se de tudo quanto é contra a vontade de Deus para não provocar a Sua ira. Amar no sentido de confiar somente Nele e, por amor a Ele, fazer o que é da Sua vontade.Esse princípio de temer e amar a Deus deve ser aplicado a todos os mandamentos, deixando o primeiro mandamento como o mais importante e a base para os demais. Por exemplo, iremos honrar os pais e as autoridades não por causa deles mesmos, mas por causa de Deus. Pois não é o caso de fazer ou deixar de fazer algo para agradar aos pais ou autoridades, mas sim a Deus.É proveitoso e necessário sempre ensinar a vontade de Deus aos jovens, a fim de não serem criados apenas com pancadas, como o gado, mas em temor e reverência a Deus. No Antigo Testamento Deus ordena escrever os mandamentos em todas as paredes e cantos para que as pessoas sempre os tivessem diante dos olhos, na mente e nas atitudes (Dt 6.8-9; 11.18-20).Nenhuma pessoa alcançará a salvação eterna pela obediência aos Dez Mandamentos, pois desde a queda no pecado (Adão e Eva) o ser humano é incapaz de guardar a Lei de Deus e o próprio cristão só a cumpre de modo imperfeito. O caminho que leva as pessoas à salvação é a fé em Jesus.Então para que servem os Dez mandamentos? Para o cristão, os mandamentos têm um fim triplo:
Freio = mantêm a ordem exterior no mundo freiando o impulso natural da
humanidade para o pecado.
Espelho = ensina o ser humano a reconhecer verdadeiramente os seus pecados.
Norma = mostra aos cristãos o caminho que devem seguir a partir da fé.
Para Refletir:1 João 2.1 – Cristo é nosso advogado!
OBS: Estudo baseado no Catecismo Maior de Martinho Lutero.

Tenha pena de mim!

A palavra “pena” tem vários significados. Pode ser aquilo que reveste o corpo das aves, pode ser um castigo, uma punição, sofrimento, aflição e ainda pode significar compaixão, dó, piedade.
Naturalmente, não gostamos da pena que significa punição ou castigo. E muitos ainda se ofendem mais profundamente quando são olhados com pena no sentido de dó ou piedade.
Diante de Deus o nosso orgulho se acaba. Diante de Deus sabemos que merecemos condenação, castigo e punição por nossos pecados. Se Deus desejasse impor uma pena por nossas transgressões e nos punisse de acordo com nossas faltas, estaríamos perdidos, e com justiça. É por isso que precisamos que Deus tenha pena de nós, que ele seja compassivo e tenha dó de nós. Precisamos que Deus tenha pena de nós, que ele nos ajude, nos liberte,
nos faça viver dignamente.
Foi isto o que um cego certa vez pediu para Jesus. Seu nome era Bartimeu. Por sua cegueira ele estava excluído, marginalizado, e para sobreviver pedia esmolas na rua. Todo o orgulho humano se vai diante da necessidade, diante da aceitação de que eu preciso de ajuda. E precisando de ajuda, Bartimeu, ao ouvir que Jesus de Nazaré passava por ali gritou: “Jesus, Filho de Davi, tenha pena de mim!” E diz a Bíblia que “muitas pessoas o repreenderam e mandaram que ele calasse a boca, mas ele gritava ainda mais: Filho de Davi, tenha pena de mim!” (Mc 10.48).
Jesus parou, chamou Bartimeu e o curou. “Vá”, disse Jesus, “você está curado porque teve fé!”
Lembre-se de Bartimeu e não tenha vergonha de dizer: “Jesus, tenha pena de mim!” Ele ama você, conhece seus pecados e seus sofrimentos e por amor a você deu a própria vida.
Oremos: Jesus, Filho de Davi, tenha pena de mim

e dá-me a tua paz. Amém.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Tetzel está vivo!



A propósito dos 492 anos da reforma protestante, ocorrida em 31 de outubro de 1517, vale reflexão atualizada acerca daquele fato à luz do que ocorre hoje com as igrejas cristãs. O que Lutero enfrentou, considerada a contumaz obstinação do papa Leão X, foi sutil em vista do que por aí se faz com a mensagem de Cristo em razão de variados interesses.
A era das trevas agonizava, facilitando a exposição de confuso universo de problemas, às vezes tão políticos quanto religiosos, todos concorrentes para a ruptura definitiva da cômoda integridade católico-romana.
Bastou que viesse à tona o monstruoso déficit financeiro da obra da Basílica de São Pedro para que o papa Leão X decidisse fazer o que hoje é corriqueiro na grande maioria das denominações religiosas, sobretudo evangélicas, diante dos seus inomináveis custos.
Sem se advertir a respeito de erro teológico, político ou ético, Leão pôs à venda indulgências, títulos reversíveis em perdão, de excelente imagem e úteis aos que quisessem quitar “pinduras” com o Eterno. E as distribuiu no mercado europeu a troco de dinheiro, mas sem antes preparar bons vendedores.
Coube ao monge Johann Tetzel espalhar suas bancas pela Alemanha. Ele garantia que o benefício espiritual da compra delas seria instantâneo. Tão logo tilintassem moedas no fundo da bolsa, sofridas almas deixariam o Purgatório, lugar a meio caminho entre céu e inferno, fonte de água e fôlego.
Tudo ia de vento em popa, até que Lutero, monge formado em Teologia, Direito e Filosofia e professor da Universidade de Wittenberg, resolveu chutar o balde e botar areia nos negócios do papa. Redigiu 95 teses, em que condenava o comportamento da igreja e resgatava a verdadeira ética cristã, que se baseia unicamente na graça e na fé em Cristo.
Acendeu-se o estopim. A revolução protestante explodiu em vários recantos da Europa. Dela surgiram a Igreja Luterana, as demais denominações evangélicas históricas (Batista, Anglicana, Metodista, Presbiteriana) e centenas daí derivadas, pentecostais ou neopentecostais, seitas ou não, num turbilhão confuso de dogmas, de fé e de ritos que, com certeza, nem sempre estão de acordo com o que é teologicamente correto.
A liberdade religiosa que se seguiu à reforma, estimulada pelo poder temporal que se desvencilhava de Roma, deu origem à descontrolada sucessão de minirreformas baseadas em interpretações teológicas inobjetivas e que pariram o atual mosaico evangélico, triste labirinto sem saída.
Impressões históricas à parte, uma coisa é lamentável. O modelo Tetzel, que vendia títulos reversíveis em perdão, está mais vivo que nunca. Em que situações?
a) quando se exige que o ser humano promova esforços e obras e pague pela misericórdia redentora de Cristo, obtida na cruz em sacrifício, gratuitamente para todos, sem distinção;
b) no materialismo desmesurado, fortemente presente na maioria das igrejas tidas evangélicas, que falam mais em dinheiro do que em Deus, do seu amor, sua bondade, sua graça e sua misericórdia;
c) nas enganosas promessas de prosperidade, tidas às vezes imediatas, ou nas facilidades financeiras ou físicas, em resposta a ofertas rechonchudas;
d) na "magia simpática" que transita em muitas denominações evangélicas: Um sabonete, uma cruz, um lenço, um óleo ungido ou coisa qualquer que pode ser suficiente para manipular o sobrenatural;
e) no condenável silêncio das igrejas históricas que erram porque se omitem e não se pronunciam contra as heresias decorrentes do modelo Tetzel;
f) na vontade desmesurada de algumas igrejas cuja vontade seria a de tomar e controlar o poder secular. O Estado é laico e não há como “convertê-lo”, pondo-a serviço da religião.
Pena que hoje, como no tempo de Lutero, milhares a mais estejam pagando caro pelo excesso dessa heresia que, com certeza, não os contemplará jamais em seu gesto financeiro com um recibo assinado pelo próprio Jesus Cristo.


Orlando Eller, Jornalista
Vila Velha - ES

Estagiários 2010

Clique na Figura e poderá ver a lista.
Estamos recebendo o Estagiário Jonas Schultz. Agradecemos a Deus por mais este Estagiário, que Deus abençõe sua vinda e seu trabalho!!!

terça-feira, 24 de novembro de 2009

A Fé que cura

Ficar doente é desagradável e ninguém gosta disso. Seja criança ou adulto, todos querem saúde. Por isso quando alguém sofre por causa de alguma enfermidade logo a atenção de todos está voltada para aquela pessoa até que ela se restabeleça. Oramos a Deus pela saúde das pessoas e agradecemos quando houve a recuperação.
Na época de Jesus também havia muitos doentes, e ele curou vários deles. Seus milagres são conhecidos e alguns deles registrados nas Escrituras Sagradas. Entre eles temos o relato da cura de 10 leprosos. O texto diz que todos foram curados, mas apenas um voltou para agradecer a Jesus, ao que este lhe respondeu: “Levante-se e vá. Você está curado porque teve fé” (Lc 17.19).
A cura das enfermidades sempre foi objeto de estudo entre os cientistas. Vacinas, remédios e pesquisas são feitos a fim de curar as pessoas. Contudo, apesar disso, ainda oramos a Deus para que ele faça a sua vontade e não a nossa. Muitos oram a Deus e são curados porque esta foi a vontade dele. No caso específico dos leprosos, a vontade de Jesus foi que eles fossem curados. Mas também muitos oram a Deus e não são curados. Nesses casos, podemos crer que esta foi a vontade de Deus. Por isso, independentemente do resultado da nossa oração, devemos confiar que Deus está no comando de nossa vida.
Mas há uma doença que tem a cura certa em Jesus. Esta doença é o pecado. Não é uma doença comum, mas corrói o ser humano. Ela faz com que as pessoas se distanciem de Deus e vivam uma vida desregrada, sem rumo certo. A cura da doença do pecado todos nós buscamos, mesmo estando com a saúde perfeita. E Jesus, que deu a sua vida por nós na cruz, nos curou desta enfermidade. Nele temos a cura do perdão dos nossos pecados. Como é bom sabermos disso!
Oremos: Querido Deus, renova sempre mais a minha confiança em ti. Dá-me a cura de todos os meus erros. Guia-me para que eu possa viver com saúde espiritual. Amém.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Durma bem

Você dorme bem? Esperamos que sim, pois quando não temos uma boa noite do sono todo o nosso dia fica comprometido. As preocupações tiram o sono de muita gente. Os problemas não saem da cabeça e impedem que a pessoa durma em paz. O que fazer? Uma solução é falar dos seus problemas, dividi-los com alguém. Deus está sempre pronto a ouvir você. Abra o seu coração a Deus. Ele se preocupa com você. Lembre-se de Jesus. Ele foi enviado por Deus para resolver um grande problema, a morte eterna. Jesus deu a vida dele para que você tenha a vida eterna. Deus ama você, confie nele e você sentirá uma paz e uma segurança que ajudarão você a viver mais tranquilo e a ter belos sonhos.


Oremos: Enche, Senhor, a minha vida de paz e segurança. Ajuda-me a viver de maneira mais tranquila e a conviver com os problemas de maneira sadia e feliz. Amém.


Quando me deito, durmo em paz, pois só tu, ó Senhor,
me fazes viver em segurança? (Salmo 4.8).

Falando com Deus


Quantas pessoas estão dispostas a ouvir os seus problemas? Imagino que não sejam muitas. Por isso não desperdice a oportunidade que Deus oferece a você. Fale com ele. Abra o seu coração e coloque diante dele as suas angústias, medos e também as alegrias. Ele está disposto a ouvir você e a ajudá-lo. Mas lembre-se de que ele é o soberano, Deus sabe o que você realmente precisa. É por isto que muitos dos nossos pedidos não são atendidos. Não caia na armadilha de que orar é perda de tempo. Pelo contrário, orar é fundamental para a vida de qualquer pessoa. Quanto mais coisa você tem para fazer no seu dia, mais necessário é orar e pedir a ajuda de Deus, pois sem ele você não dará conta de tudo. Deus ajuda você. Ele o fez através de Jesus ao perdoar todos os seus pecados. Ele ajuda você hoje, por isto aproveite e fale com Deus todos os dias.


Oremos: Obrigado, Senhor, por me ouvires. Sei que me amas e queres me ajudar. Fortalece esta minha fé para que eu fale cada vez mais contigo. Amém.


De manhã ouves a minha voz; quando o sol nasce, eu faço a minha oração e espero a tua resposta.? (Salmo 5.3)

O grande Amor de Jesus nos conforta!

Quem não tem problemas na vida? Às vezes parece que os outros vivem melhor e as nossas dificuldades é que são graves. Ao invés de pensarmos assim, o mais saudável é quando encontramos alguém que vive um drama idêntico ao nosso e, juntos, podemos nos confortar e buscar forças.
Ao escreverem sua segunda carta à igreja de Corinto, o apóstolo Paulo e Timóteo louvam a Deus porque tanto eles quanto os destinatários da carta estavam em dificuldades. Viviam aflições idênticas. Um compreendia a dor do outro. Podiam consolar com o mesmo consolo que haviam recebido da parte de Deus. Isto era motivo de louvor a Deus mesmo que estivessem sofrendo. Os apóstolos reconhecem um duplo propósito divino em permitir-lhes aflições. Reconheciam que Deus queria consolá-los com seu evangelho bem como capacitá-los a levar o conforto aos que estavam no mesmo sofrimento.
Vivemos num mundo tão cheio de problemas, mas apesar dos inúmeros sofrimentos pelos quais passamos, podemos afirmar que Deus graciosamente quer aproximar-se de nós. Ele quer fazer com que você experimente seu doce evangelho, conheça o seu amor e desfrute do grande conforto dispensado por Deus também a você.
Quando você experimentar a graça de Deus, não poderá ficar indiferente. Irá querer que outros desfrutem do mesmo bem-estar. Sofremos porque merecemos, mas o conforto do perdão é puro amor da parte de Deus, que não merecemos. Cristo deu a sua vida em favor de todos, para que todo o que nele crê tenha a salvação eterna. Nisso você pode confiar.
Oremos: Ó grande Deus de amor, mostra-me os teus grandes propósitos para que eu possa experimentar a riqueza da tua graça, revelada em teu Filho Jesus Cristo, meu querido Salvador. Amém.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Ofertar - Novembro falamos em Ofertas

O Salmo 96 exalta a glória e a majestade de Deus. Através de cânticos, através do anúncio da glória e das maravilhas do Senhor a todos os povos, os filhos de Israel estavam proclamando que "Grande é o Senhor e mui digno de ser louvado" (v 4). No versículo 8 o salmista mostra que as ofertas também fazem parte desta glorificação a Deus.
As ofertas também fizeram parte do primeiro culto dos estrangeiros (os magos), que foram até Belém adorar Jesus, o recém nascido rei dos judeus (Mt 2.11). Estes dois textos bíblicos, e muitos outros, nos mostram que as ofertas fazem parte do culto e da adoração dos filhos de Deus.
Quem não tiver motivos para adorar a Deus também não terá motivos para ofertar. Mas, quem conhece o amor de Deus, responderá a Deus com culto, com ofertas e com uma vida toda consagrada ao Senhor (Rm 12.1), porque o amor e a graça de Deus motivam e impulsionam. Quem experimentou a misericórdia de Deus em sua vida, ofertará do melhor que tem.

Mudança - Cl 1.15-23

“Antes, vocês estavam longe de Deus e eram inimigos dele por causa das coisas más que vocês faziam e pensavam. Mas Deus fez com que vocês ficassem seus amigos a fim de trazê-los à sua presença para serem somente dele” (Cl 1.21-23).
O apóstolo Paulo foi um maravilhoso instrumento usado por Deus, para levar a mensagem do evangelho a vários povos e nações. Ele fundou muitas igrejas e, mesmo distante delas, aconselhou-as e encorajou-as com suas cartas. Pois ele escreve aos cristãos da cidade de Colossos, os Colossenses, para lembrar-lhes o que havia mudado depois de conhecerem a Jesus.
Paulo fala por experiência própria. Ele antes andava também nas trevas e não parava de ameaçar de morte os seguidores do Senhor Jesus. Tudo mudou, porém, naquele dia quando ele estava às portas da cidade de Damasco e uma luz veio do céu e brilhou em volta dele. Paulo caiu no chão e ouviu a voz de Jesus, questionando seus atos. A partir dali tudo se transformou em sua vida.
Algo semelhante acontecera aos Colossenses, por isso Paulo lhes diz: “Antes, vocês estavam longe de Deus.” Paulo mostrou-lhes que no passado eles eram inimigos da obra de Cristo, praticando coisas más. Tudo por falta de conhecimento daquilo que Cristo fez em favor deles. Mas agora, diz ele, a situação é diferente. Cristo os reconciliou, mediante a sua morte e ressurreição. “Deus fez com que vocês ficassem seus amigos.” E então, Paulo os incentiva a permanecerem fiéis no caminho do Senhor, não dando ouvidos aos falsos mestres que apareceram lá na cidade de Colossos, tentando desviá-los do verdadeiro evangelho de Cristo Jesus. “É preciso que vocês continuem fiéis, firmados sobre um alicerce seguro, sem se afastar da esperança que receberam quando ouviram a boa notícia do evangelho.”
Por vontade de Deus, esta mensagem está agora chegando também até você. E ela lhe diz que Deus quer fazê-lo seu amigo. Ele está lhe oferecendo uma amizade incondicional, que alegra, anima, orienta, perdoa, consola, corrige e, sobretudo, ama. Jesus pagou com sua própria vida por esta amizade. Não rejeite esta oferta amorosa.
Oremos: Senhor Jesus, te agradeço por seres meu amigo e Salvador. Sei que me amas a ponto de teres morrido por mim. Desejo seguir-te, hoje e sempre.
Ajuda-me! Amém.
Pastor Alaor Güths dos Santos

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Instalação do Pastor Élvio em São Luis

O Pastor Elton, de Teresina, fez a Mensagem do Culto.
Falando sobre a Instalação, sobre a autorização do Presidente da IELB para Instalação.
O Pastor e Diretoria sâo convidados a se aproximarem do Altar.
São dirigidas Palavras ao Pastor e a Diretoria.
Deus escolhe pastores, uma tarefa especial da Igreja,
para guiar seus Filhos ao Pastor Jesus.
Após o Culto teve um almoço de confraternização.
Também deu tempo para conversar.
Como é bom participar da vida de nossa querida Igreja!
Muitos participaram.
Que Deus abençoe o Ministério do Pastor Élvio e as Congregaçôes de São Luis!

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Nono e Décimo Mandamentos

“Não cobiçarás a casa do teu próximo”“Não cobiçarás sua mulher, empregado, empregada, gado, nem coisa algumaque lhe pertença”Êxodo 20.17
Estes dois últimos mandamentos se dirigem principalmente àqueles que desejam ser louvados e chamados de pessoas honestas e sinceras, já que observam os mandamentos anteriores. Os malfeitores aos olhos do mundo precisam cuidar primeiro dos outros mandamentos.Muitas pessoas pensam que são cumpridoras dos mandamentos quando exteriormente deixam de roubar ou cometer adultério, por exemplo, mas Deus quer mostrar com o nono e o décimo mandamentos que também se deve considerar pecado e coisa proibida cobiçar aquilo que pertence ao próximo, ou de qualquer forma, pretendê-los para si.A sociedade do Antigo Testamento se organizava de modo diferente da nossa sociedade atual. Naquela época os empregados não eram livres, como hoje para trabalhar por salário, mas eram propriedade do seu senhor, tal como o gado e outros bens. A mulher também era propriedade do marido que podia despedi-la por um termo de divórcio e tomar outra. Assim, se alguém desejasse a mulher de outro, poderia despedir a sua mulher e desviar do outro a mulher deste, a fim de apossar-se dela a pleno direito. Essa prática entre eles não era pecado nem vergonha.O nono e o décimo mandamentos nos ensinam que ninguém deve desejar tomar posse daquilo que pertence à outra pessoa, como por exemplo, mulher, empregados, casa, lar, campos, etc, ainda que seja com aparência de direito, e aos olhos do mundo se possa fazê-lo honrosamente, contudo, em prejuízo do próximo.A cobiça acontece com maior freqüência em ações judiciais na intenção de ganhar ou extorquir algo do próximo, como por exemplo, disputas por herança.Em resumo Deus deseja duas coisas de nós com estes mandamentos: 1 – que não desejemos adquirir nada que pertence ao próximo e nem lhe façamos mal algum. 2 – que deixemos com ele o que possui e, além disso, promovamos e preservemos o que lhe possa ser de proveito, tal como gostaríamos que fizessem conosco.Exemplos de cobiça na Bíblia:A cobiça do Rei Acabe = 1 Rs 21.1-19A cobiça do Rei Davi = 2 Sm 11.2-17,26-27“A nossa natureza pecaminosa não concede ao outro tanto quanto a nós mesmos.Desse modo, o natural, segundo a carne, é cada um se apossar de quanto lhe é possível.O outro que fique onde puder”.“Muitas pessoas torcem e esticam o direito de acordo com os seus interesses,sem levar em consideração a justiça e a necessidade do próximo”.

Bem vinda Alanis

Esta é a família da Alanis, a mais nova membra de Teresina.
O Papai Flávio e Mamãe Milena estão muito felizes e agradecidos a Deus pela filha.
Alanis, bem vinda em nosso meio, que Deus a abençoe!!!
Congregação Cristo, Teresina, PI.







Reforma (1 Jo 3.1).

Foi num dia 31 de outubro, há quase 500 anos, que se desencadeou um grande movimento histórico da igreja, que ficou conhecido como Reforma Luterana. Nesta data, em 1517, o Dr. Martinho Lutero afixou 95 teses na porta da igreja do castelho de Wittenberg, na Alemanha, para serem debatidas.
Esta Reforma religiosa tinha como base a redescoberta do Evangelho, que afirma que Deus, por amor, acolhe o perdido, o culpado, e o declara justo, por graça e por fé, através de Jesus Cristo.
Segundo Lutero, o verdadeiro tesouro da Igreja é o Evangelho - a proclamação do amor de Deus. A Primeira carta de João, capítulo 3, versículo 1º, retrata bem esta redescoberta por Lutero quando diz: "Vejam como é grande o amor do Pai por nós! O seu amor é tão grande, que somos chamados de filhos de Deus e somos, de fato, seus filhos."
Como é bom e importante que sejamos chamados e tratados como filhos e filhas de Deus. O amor de Jesus nos possibilita essa filiação. Mesmo sem merecermos e sem podermos conquistar por obras humanas meritórias, Deus nos concede o perdão e a salvação através de Cristo. Jesus nos reveste com sua justiça e somos declarados, assim, justos diante de Deus por causa de Cristo. A salvação eterna foi conquistada unicamente por Jesus e é um presente dado por Deus. Este presente sem igual se torna nosso por meio da fé nele, Cristo, pois esta é a maneira pelo qual Deus nos aceita.